2005

2005

I Mostra Internacional Audiovisual de Ouro Preto
I Seminário Internacional Audiovisual de Ouro Preto
Oficinas de Aperfeiçoamento

Ouro Preto || 27 de outubro a 2 de novembro

_ Mostra Internacional do Audiovisual de Ouro Preto 2005

Foram exibidas mais de 200 produções – dentre longas, médias e curtas metragens de ficção, animações, documentários, vídeos, programas de TV e filmes publicitários – originários da Nova Zelândia e de Minas Gerais.
Na abertura da Mostra, um “Cortejo de Imagens – do Largo do Pilar ao Parque ao Parque Metalúrgico” projetou, sobre Igrejas e casarões de Ouro Preto, os vídeos produzidos nas oficinas. A banda “Corporação Musical Bom Jesus de Matozinhos” conduziu o público pelas ruas da cidade até a Cerimônia de Abertura, no Centro de Artes e Convenções da UFOP, onde foi exibida uma seleção de produções históricas do Film Archive (Nova Zelândia) e do CRAV (Centro de Referência Audiovisual da Prefeitura de Belo Horizonte).

_ Seminário Internacional do Audiovisual de Ouro Preto 2005

O Seminário reuniu profissionais e pesquisadores brasileiros e neozelandeses do setor audiovisual. As suas exposições e discussões serviram para delimitar como os produtores locais poderão se preparar para as transformações, no campo da geração e transmissão de imagens e sons, que possam ser usadas como ferramentas de inclusão e participação.
O evento proporcionou o debate com importantes nomes do segmento na Nova Zelândia, como Michael Brook (New Zealand Film Archive), Lindsay Shelton (New Zealand Film Comission), Gaylene Preston (Cineasta), Bernard Duncan (New Zealand On Air), além de representantes de órgãos governamentais e de realizadores brasileiros, a exemplo de Manoel Rangel (cineasta e diretor da Ancine), Cadu Rodrigues (diretor da Globo Filmes), Sergio Andrade (Amazonas Film Comission), dentre outros.

_ O f i c i n a s d e A p e r f e i ç o a m e n t o 2 0 0 5

As Oficinas de Aperfeiçoamento 2005 beneficiaram profissionais de formação espontânea e jovens recém formados em comunicação que atuam em emissoras locais, tais como a TV Educar, a TV Itabirito, a TV Lafaiete, a TV Universitária Vale do Aço e a TV UNI-BH Inconfidência.
O objetivo foi estimular a criação que gerasse mais impacto e maior interesse junto às comunidades locais, com realizações de qualidade que dialogassem com esse público. O incentivo à ampliação da qualidade serviu, também, para valorizar a produção local de forma a inserí-la em redes de exibição mais amplas. O efeito, quanto à adequação aos parâmetros da circulação, foi bastante proveitoso, já que os materiais produzidos
durante a oficina foram veiculados na Rede Minas, chegando, em alguns casos, a ser retransmitidos em nível nacional pela rede de TVs educativas.
Outro resultado significativo foram mudanças no padrão da produção diária de cada canal envolvido, em termos técnicos e de conteúdo de programas. O público local aprovou as modificações, estimulando a continuidade e ampliação das atividades de formação no IMAGEM DOS POVOS 2006, com o aprofundamento do curso em Ouro Preto e a realização das Oficinas Itinerantes, aumentando o número de emissoras participantes e apontando para a criação de uma rede alternativa de produção de TV regional.

 

Catálogo 2005