Alice Guy-Blaché

Alice Guy-Blaché 

Alice Guy-Blaché (1873-1968) foi a primeira diretora, roteirista e produtora de filmes de ficção. Pioneira na direção de atores para cinema, na sincronização de som na projeção e na colorização da película, é considerada fundamental no desenvolvimento da narrativa cinematográfica. De 1896 a 1920 realizou mais de mil filmes, incluindo centenas de curtas-metragens, filmes sonoros sincronizados e longas metragens.

Guy tinha 22 anos quando em março de 1895, participou de uma demonstração do cinematógrafo dos irmãos Lumièré na Société d’encouragement à l’industrie nationale e assistiu – Sortie d’usine (Saída da fábrica). Visionária, convenceu Léon Gaumont, seu patrão, a deixá-la usar uma câmera recém adquirida pela companhia e filmou não o registro de uma cena real mas um conto europeu. Nasce, assim, o primeiro filme de ficção da história do cinema – La Fée aux choux (A Fada do Repolho) lançado em maio de 1896.

 

O sucesso da recente invenção e da sua empreitada a fez chefe de produção dos estúdios da Gaumont onde dirigiu, roteirizou, supervisionou cenários e equipamentos. Em 1910, já nos Estados Unidos, se tornou a primeira mulher a construir e administrar seu próprio estúdio – o Solax Company em Fort Lee, New Jersey e por mais dez anos revolucionou a nascente indústria.

“Alice trabalhou com muitos dos principais intelectuais, cientistas e artistas de seu tempo, como o brilhante inventor e empresário Léon Gaumont, Gustave Eiffel da Torre Eiffel, teve uma relação de amor e ódio com seu concorrente, Ferdinand Zecca, que dirigiu para o Pathé e entrou em conflito com gigantes industriais como Thomas Edison. A direção de Alice ajudou a transformar atrizes de teatro como Olga Petrova, Alla Nazimova e Bessie Love em estrelas de cinema. Ela ensinou quase todos os grandes diretores da próxima geração de filmes, incluindo Étienne Arnaud, Victorin Jasset e Louis Feuillade, e os cenógrafos Henri Menessier e Ben Carré. Ela ensinou seu marido, Herbert Blaché que dirigiu Buster Keaton em seu primeiro longa-metragem, The Saphead .”(McMahan, Alison. Lost Visionary, 2002)

Durante décadas permaneceu esquecida até ser descoberta por historiadores do cinema, ter sua biografia publicada e seu papel na construção da indústria finalmente reconhecido.

Alice Guy por sua vitalidade, inventividade e criatividade fez história!

Os filmes da seleção

 

Os filmes escolhidos para compor essa seleção são baseados na pesquisa rigorosa realizada por Alison McMahan. Suas listagens dos filmes de Guy são divididas em quatro categorias: Filmes do período Gaumont Film Company, Filmes Sonoros, Filmes da Solax Company e filmes de longa-metragem.

Essa referência foi fundamental porque grande parte dos filmes foram destruídos e muitos são erroneamente atribuídos a ela.

As informações e sinopses não estão padronizadas e as vezes estão incompletas mas optamos por deixar o máximo de informações conseguidas.

Para completar nossa seleção escolhemos ainda três outros filmes que contribuem para o entendimento desse período e do que imediatamente aconteceu na indústria com a entrada em cena de Hollywood.

Ao todo são 31 filmes, divirtam-se! [*exibição encerrada no dia 30 de junho de 2018]

Tâmara Braga e Maíz d’Assumpção