2008

 

JAPÃO E AMAZÔNIAImagem 2008 prestação contas 090

IV Mostra Internacional Audiovisual
IV Seminário Internacional Audiovisual
Jardim das 4 Têmperas
Exposição Mangá a Influência do quadrinho Japonês no Brasil

Ouro Preto || 21 a 24 de agosto
Belo Horizonte || 27 a 31 de agosto
Ipatinga || 01 a 02 de setembro

Em qualquer lugar do planeta Terra quando ouve-se a palavra Amazônia, forma-se na mente do ouvinte uma imagem fabulosa. É como se ela significasse para o máximo da abundancia, a pujança maior da natureza.

O cinema, há tempos, descobriu esta cenografia da maravilha, atraindo para lá realizadores de todos os cantos em busca da locação perfeita. Muitos criadores brasileiros foram seduzidos por este Eldorado da imagem, contrastando-o com a vida dos homens e mulheres amazônicos. Foi assim com Iracema de Jorge Bodansky e Orlando Senna; By by Brasil de Cacá Diegues e Brincando nos Campos do Senhor, de Hector Babenco, entre tantos outros. Do português Silvio Santos com o inicial No Paíz das Amazonas de 1922, ao alemão Werner Herzog com o seu alucinado Fitzcarraldo; centenas de diretores, atores e produtores das mais diversas nacionalidades ajudaram a consolidar a Amazônia como um set permanente de filmagens. Set este, que nos dias atuais ganha novos contornos com a apropriação cada vez maior deste espaço por realizadores locais. Assim contemporaneamente, o homem amazônico, vem somar-se a esses outros tantos, na construção da Imagem dos Povos da Amazônia. Esta imagem, múltipla em cores, raças e sotaques é a própria imagem do Brasil plural e tolerante que em 2008 comemora o centenário da integração entre brasileiros e japoneses. Nossos irmãos vindos do país do sol nascente, ao chegarem aqui trouxeram o cinema cmo forma de manter a sua identidade e cultura. Foi em frente e em torno de projeções narradas pelos famosos Benshi que a comunidade japonesa no Brasil se encontrou entre as jornadas de trabalho. Ao reunirmos em Minas Gerais as expressões audiovisuais do Japão e Amazônia não só rendemos a devida homenagem à cinematografia japonsea, influência definitiva nas cinemoatrografias nacionais, a brasileira inclusive, como também propriciamos o encontro entre a emergente cinematografia amazônica e novo cinema japonês, o cinema feito na Amazônia e produção audiovisual de Minas Gerais, gazendo cumprir o papel agreagador do Imagem dos Povos.

Adyr Assumpção – Tâmara Braga Ribeiro 

Idealização e Realização